Política

Dória quer fechar 90 unidades de AMA em SP, mostrando que odeia os pobres mais uma vez

terça-feira 6 de março| Edição do dia

A unidade da AMA Castro Alves, que é integrada à UBS, em São Paulo, já não funcionou como de costume no sábado, segundo informações da Rádio CBN. Os funcionários foram remanejados para endereços próximos à residência de cada um.

Parte do plano de reestruturação da rede municipal de Saúde de Dória, que está dispensando médicos especialistas das UBSs, já começa a precarizar a vida dos trabalhadores na cidade de São Paulo com a proposta de fechamento de 90 unidades de AMA.

A proposta de Dória é fechar AMAs que estejam integradas às UBSs, mantendo apenas o posto de saúde em funcionamento. Isso já aconteceu na Cidade Tiradentes, na Zona Leste de São Paulo. Quem procura pronto atendimento na AMA Castro Alves, por exemplo, é encaminhado para o Hospital Cidade Tiradentes ou para a UPA Glória.

A UBS Castro Alves mantém consultas com ginecologista, dentista, psiquiatra, clínico geral e pediatra, mas as consultas são agendadas, diferente da AMA, que atendia procuras no momento.

Milhares serão afetados pelo plano de reestruturação de Dória, que tem como único objetivo, favorecer seus amigos empresários donos de empresas de Plano de Saúde, além das OS, "fundações" privadas de saúde que são contratadas pela prefeitura e enriquecem com o sofrimento da população.




Tópicos relacionados

João Doria   /    Saúde   /    São Paulo (capital)   /    Política

Comentários

Comentar